Destaque Notícias Sustentabilidade e Meio Ambiente

O FIM DO USO DE CANUDOS PLÁSTICOS EM GOIÂNIA ESTÁ PRÓXIMO

PL QUE PROÍBE USO DE CANUDOS PLÁSTICOS EM GOIÂNIA É APROVADO EM SEGUNDA VOTAÇÃO

 

O Projeto de Lei (PL) que proíbe o uso de canudos plásticos em estabelecimentos de Goiânia foi aprovado em segunda votação na Câmara Municipal. Os 34 vereadores presentes na sessão desta terça-feira (14) votaram em favor do texto de autoria de Romário Policarpo (Pros). O projeto segue agora para a Prefeitura da capital para ser aprovado ou vetado por Iris Rezende (MDB) dentro de um período de 15 dias.

O PL prevê que no lugar de canudos plásticos deverão ser fornecidos canudos em papel reciclável, material comestível (como macarrão) ou biodegradável. Além disso, a orientação é que sejam embalados individualmente em envelopes fechados feitos do mesmo material.

O autor da proposta diz que a ideia de apresentar o PL veio após tomar conhecimento da aprovação de um projeto nesse sentido no estado de São Paulo. “A partir daí vi que seria cabível também em Goiânia”, afirma. Policarpo fala ainda que a proposta não é só para pontos comerciais, mas também pode se estender para hospitais, que utilizam o utensílio para pacientes acamados.

Caso aprovado pelo prefeito, comerciantes têm 180 dias para adaptação. “Já conversei com o Iris e a ideia é que no ato da sanção a gente já regularize e um órgão já seja encarregado para começar a fiscalização”, conta o autor da proposta.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Goiás (Abrasel-Go), Fernando Jorge, se posicionou sobre o projeto nesta tarde. De acordo com ele, a associação não é contra a proposta, mas sim do jeito que está ocorrendo. “Não fomos chamados para nos posicionar e o período de 180 dias é curto para adequação”, afirma. Ele reitera que o prazo ideal seria de seis meses para adaptação dos comerciantes.

De acordo com Fernando, o projeto deveria ser aplicado primeiramente em indústrias, que poderiam colocar canudos com novos materiais no mercado. “Como não há muitos fornecedores no estado, a mercadoria alternativa ao canudo de plástico ficará mais cara e isso será repassado ao cliente”, finaliza.

*Larissa Lopes é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Thaís Lobo

Crédito da matéria: www.emaisgoias.com.br

Imagem:Foto Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *